19 Setembro 2019
Fonte:: UOL

 chrome 8eb32

De acordo com dados da ferramenta online StatCounter, o Google Chrome é o navegador mais popular do mundo, utilizado por 55% dos usuários de internet. Por isso, não é de se estranhar a frequência de armadilhas encontradas no browser.

Preocupado com a sucessão de páginas e plugins maliciosos, o gigante da internet desenvolveu um sistema de segurança nativo para o Google Chrome no Windows. A intenção é tornar o browser mais eficiente para lidar com extensões maliciosas.

Entre algumas novidades está o Chrome Cleanup. Ele assume o papel de antivírus nativo do navegador, capaz de identificar e eliminar códigos intrusivos e maliciosos por meio de varreduras periódicas. Isso sem mencionar que o recurso notifica o usuário sobre instalações indevidas de novos plugins.

Outro recurso importante detecta automaticamente quando as configurações originais do navegador são alteradas sem a intervenção direta do usuário. Nesse caso, quando você abre o navegador novamente aparece uma opção para retornar às definições padrões.

Vale lembrar que, por enquanto, essas funcionalidades só estão disponíveis para o sistema Windows. Mais do que isso: você deve atualizar o seu navegador para a versão mais recente.

Ganha aqui, perde ali

Se, por um lado, o usuário ganha em segurança com a implementação desse novo sistema de segurança, por outro ele perde em desempenho. Isso porque o Google Chrome já é conhecido pelo alto consumo de memória. Com a ferramenta de segurança nativa, a tendência é que o navegador fique ainda mais pesado.